terça-feira, 15 de Junho de 2010

Soyo (um pouco de história)

Antigamente conhecida como Santo António do Zaire, a cidade do Soyo tem muito mais para oferecer que simplesmente petróleo ou gás natural, mas neste cantinho no extremo norte de Angola para já aposta-se mais nos petróleo e no gás natural, contudo, penso que Soyo poderá ser um destino turístico interessante no futuro.

Soyo é uma cidade com uma importância geográfica enorme, foi cá que em 1491 Diogo Cão chegou a Angola mais concretamente à cidade do Soyo, está ainda hoje preservado o Padrão que ele colocou em terras Angolanas para assinalar esse momento (prometo para breve fotos e um post sobre isso), como está no ponto mais norte de Angola e na foz do rio torna-se de vital importância a sua localização geográfica.

O porto de Soyo (Mpinda), localizado próximo à foz do rio Congo, tornou-se um importante porto no comércio do século XVI. A comunidade a radicada utilizava esse porto para o comércio de escravos, marfim e cobre. Um inquérito real do Kongo de 1548 revelou que mais de 4.000 escravos saíram do porto Mpinda para as colónias ilhas de São Tomé, e depois para o Brasil a cada ano.


Agora em Mpinda esta a Missão Católica, um espaço “em tudo diferente do Soyo que conheci ate agora”, tem como não podia deixar de ser um igreja católica bem como uma Maternidade, Infantário e Escolas, deu para perceber que muita da comunidade que lá vive está “depende” da existência dessa missão católica, e é claramente um sitio a não perder para quem vista o Soyo.

Luisinho & Pedro na Missão Mpinda

Quando visitei a missão católica de Mpinda aproveitamos o dia para conhecer também alguns artesões locais como mestre Fiel, exímio escultor em madeira que nos recebeu em sua casa/ateliê com enorme simpatia, aproveitamos todos (ou quase) para poder comprar algum do artesanato tipicamente Angolano, fica contudo marcada nova visita mestre Fiel bem como aos pintores que moram em Mpinda, para podermos levar mais umas quantas recordações angolanas.

Mestre Fiel e suas esculturas

Na ida para missão podem ver alguns dos caminhos que se vão encontrando à medida que nos vamos afastando mais da cidade do Soyo, e percebe-se o porque de esta terra deixar por vezes tantas saudades a quem cá passa.

Estrada para Missão Mpinda

1 comentário:

Anónimo disse...

comeneu sou de angola mais precisamente do soyo onde vivi 10 anos. gostava muito de saber noticias da minha terra.